17/12/2013
Francesa Imerys entra no mercado brasileiro de cal com fábrica em Minas Gerais

A francesa Imerys, que faz materiais para indústria e construção, inaugura hoje uma fábrica de cal em Doresópolis (MG), com um investimento inicial de u20ac 30 milhões. É a primeira unidade desse produto que a companhia de minerais não metálicos, como caulim, passa a ter no mundo.

Presente no país há 40 anos, possui oito fábricas, que lhe renderam em 2012 um faturamento de u20ac 290 milhões (aproximadamente R$ 930 milhões). O valor correspondeu por 8% do total de suas vendas globais, de u20ac 3,8 bilhões.

Com uma postura geralmente discreta, a empresa contou pela primeira vez ao Valor os seus planos para o mercado brasileiro, que incluem expansões, a nova fábrica de cal, uma unidade de bauxita e a meta de dobrar sua receita no país nos próximos três a cinco anos, segundo André Giglio, diretor-geral de Carbonatos na América Latina.

Nas quatro divisões de negócios, os investimentos da Imerys no Brasil ultrapassam u20ac 160 milhões desde 2010, incluindo a compra da participação da Vale na fabricante de caulim Pará Pigmentos, por US$ 70 milhões. Os recursos saem do próprio caixa da companhia, diz Giglio. Também já estão considerados na somatória os u20ac 40 milhões previstos para uma unidade de bauxita refratária e alumina em Monte Dourado (AP). A Imerys possui no local uma mina antiga, comprada da Mineração Santa Lucrécia (MSL).

Responsável pela fábrica de Doresópolis, Giglio diz que os investimentos serão divididos em duas fases. Na primeira, vai instalar os equipamentos, como o forno (coração da fábrica) mais mina e instalações de britagem do calcário, para produzir 200 mil toneladas ao ano. Na fase seguinte, ainda sem data definida, investirá outros u20ac 30 milhões para dobrar a produção a 400 mil toneladas.

A mina de calcário que fornecerá o suprimento para a fábrica já era detida pela Imerys desde 2002, quando a empresa comprou o ativo da Química Industrial Barra do Piraí. Desde então, a empresa aguardava um bom momento para desenvolver o projeto. "A decisão está relacionada com o objetivo da Imerys de intensificar sua presença no Brasil. Apesar da desaceleração, o Brasil ainda é um dos países que mais crescem no mundo, e acreditamos no potencial da economia brasileira", disse o executivo.

Uma parte da produção de cal da empresa - cerca de metade do volume, segundo Giglio - será destinado para uso da própria empresa e a outra metade venda no mercado interno. O volume total colocará a Imerys entre as maiores do país. Hoje, o mercado é dominado por algumas companhias que produzem acima de 100 mil toneladas anuais, enquanto diversas pequenas empresas trabalham com volumes menores. Entre as grandes, estão Ical, Unical, Belocal, CalTrevo, Votorantim Cimentos e Cibracal.

A produção brasileira de cal somou 8,4 milhões de toneladas em 2012, ano em que enfrentou dificuldades principalmente no setor de construção civil, com a substituição do insumo por outros produtos. Neste ano, as expectativas do setor são de leve melhora tanto no mercado de construção como no industrial.

Em todo o mundo a Imerys tem 250 fábricas divididas em quatro áreas: cerâmicas, materiais de alta resistência, filtração e especialidades. No Brasil, a unidade de cal será a quinta do negócio de especialidades, que inclui produção de materiais para tintas, plásticos, agricultura e embalagens, por exemplo. As outras estão no Estado de São Paulo (Mogi das Cruzes, Limeira e Mauá) e em Piraí (RJ).

Em cerâmicas, a empresa é fornecedora de materiais para fabricantes de pisos e azulejos. No Brasil, está preparando um novo investimento na área, segundo Giglio. Em filtração, tem entre seus clientes fabricantes de cervejas.

 

 

fonte:Valor Online
 
Voltar para página inicial