NOTÍCIAS

Alunorte e UFPA assinam novo acordo para pesquisas de uso do resíduo de bauxita, dessa vez na produção de agregado sintético

13 de outubro de 2020

Alunorte anuncia novo acordo com a Universidade Federal do Pará (UFPA) para pesquisa sobre o uso do resíduo da bauxita na construção civil. Desta vez, o foco será na produção de agregado sintético, um tipo de material que vai misturado ao concreto na construção civil. Assim seria possível reduzir a necessidade de utilização de recursos naturais e ainda dar uma destinação ao resíduo de bauxita. A pesquisa terá duração de 18 meses e conta com um investimento de pouco mais de R$ 1,5 milhão por parte da companhia. A equipe contará com a participação de nove pesquisadores vinculados a quatro programas de Pós-Graduação do Instituto de Tecnologia da UFPA

“A Alunorte e a Hydro atuam buscando soluções sustentáveis para o resíduo de bauxita, incluindo a utilização de parte dele para a geração de novos produtos. Esta nova parceria, voltada ao desenvolvimento de agregados sintéticos para a construção civil, é mais um passo para atingirmos esse objetivo”, explica o Diretor Industrial da Alunorte, Michel Lisboa, acrescentando que a UFPA tem sido uma parceira estratégica para relevantes iniciativas “A excelência da UFPA é reconhecida e a universidade tem sido uma parceira estratégica na busca por soluções mais sustentáveis para a nossa operação e para as regiões onde atuamos”, complementa.

“Essa pesquisa tem perspectivas muito boas. O resíduo de bauxita, é formado principalmente por alumino silicatos, aluminatos e minerais rico em ferro e titânio. Este resíduo tem um enorme potencial para utilização na indústria de construção civil, pela quantidade e propriedade apresentada por este material”, afirma o professor Alcebíades Negrão Macedo, que está liderando o projeto pela UFPA.

Segundo a proposta de projeto da UFPA, o objetivo do estudo é a produção de Agregado Graúdo Sintético com o resíduo da bauxita, argila e sílica para aplicação em estruturas de concreto amplamente demandados pelo setor de construção civil na região. O estudo inclui o desenvolvimento e otimização da rota tecnológica, avaliação do desempenho e durabilidades do agregado e concreto e ensaios de elementos estruturais do concreto. Os agregados graúdos convencionais costumam ser seixo rolado e brita. Há no mercado diversos tipos de agregados naturais com diferentes aplicações que variam de acordo com a sua densidade. Por exemplo: podem ser utilizados em vigas, pilares, lajes, bloco estrutural, placas, contra piso, meio fio e juntas.

Pesquisa para cimento sustentável

Este é o segundo projeto de pesquisa para o uso do resíduo da bauxita na construção civil que a Hydro anuncia em 2020. Em junho, a companhia anunciou um acordo para pesquisa sobre o uso do resíduo da bauxita na produção de um cimento com baixa emissão de carbono. Por meio deste projeto, a companhia objetiva desenvolver soluções tecnológicas sustentáveis para os produtores locais de cimento de modo a reduzir não somente o seu custo de produção, mas principalmente o seu impacto ambiental, por meio da redução da emissão de gases causadores do efeito estufa e da preservação de recursos naturais.

Os dois projetos integram o convênio entre a Hydro e a Universidade, iniciado em 2019 para a realização de diversas linhas de pesquisa, entre elas com o resíduo resultante das operações da Hydro em Barcarena e Paragominas.

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Votorantim Cimentos apoia projeto de resgate histórico-cultural em Corumbá (MS)

17 de dezembro de 2018

Projeto “Todo Lugar tem uma História para Contar”, do Museu da Pessoa, reuniu histórias de vida dos moradores que impulsionou…

LEIA MAIS

Vale abre inscrições para Programa Global de Trainee

10 de setembro de 2018

Estão abertas as inscrições para o Programa Global de Trainee da Vale. São 40 vagas, das quais 23 para o…

LEIA MAIS

Alubar prioriza fornecedores do Pará

10 de abril de 2018

Em 2017, a maior parte dos investimentos da Alubar com compras e serviços foi aplicada no Pará. A fábrica, líder…

LEIA MAIS